Mãe e filha

Não teve post de dia das mães mas acho que esse casamento simboliza bem essa data. Thaís foi uma das poucas noivas que eu tive, em 20 anos de profissão, com as quais eu praticamente não tive contato antes do dia do casamento. Ela mora fora de BH, trabalha muito e contou com a mãe, Betânia, para organizar tudo. Bonito ver como as duas se entendiam. Achei tão simbólico quando a noiva me contou que o vestido era do jeitinho que a mãe dela imaginava… lindo perceber que é possível equilibrar os dois lados em harmonia. Enquanto eu fotografava a produção do cabelo, conversávamos sobre a mãe dela. Tinha uma ternura no jeito dela falar, tão lindo isso! Que elas sigam assim pela vida e que, junto do Vinícius, Thaís possa ter com seus filhos essa relação de cumplicidade que eu vi naquele dia, que é tudo o que uma mãe deseja. E, atrasada, mas em tempo, já que todo dia é dia de mãe, feliz maternar para quem já conheceu o que é o amor.

O jeito do amor

Ele é polonês, ela é brasileira, os dois se conheceram na Austrália. Ah, esse jeito  que o amor tem de agir…

Paraíso

É incrível como um trabalho bem feito pode ser gratificante. Em 2012 fiz o casamento da Gláucia, irmã da noivinha que vocês verão nesse post. Cinco anos depois do casamento de sua irmã, Letícia tinha certeza de que queria que sua fotógrafa fosse eu. Fui uma das primeiras contratações, ela nem olhou outras opções. No grande dia cheguei no salão para fazer o making of e encontrei a família toda feliz por eu estar ali, recebi tanto carinho… É maravilhoso passar pela vida das pessoas e deixar o melhor de mim – isso é o que sempre acontece – mas quando a troca é assim, tão forte, aí é o paraíso!

Coisa de amiga

Vira e mexe recebo indicações de pessoas que não fotografei. Esse é mais um desses casos, mas essa história é especial. Nayara veio conhecer meu trabalho trazida pela amiga, Deborah. Tudo correu normalmente em nossa primeira reunião até que, ao término da apresentação, Nayara decidiu que eu seria sua escolha e já quis assinar o contrato. Isso não acontece com muita frequência, normalmente as pessoas voltam depois para fechar, mas a singularidade desse contrato foi que a pessoa mais feliz com o fato de estarmos fechando o negócio não era eu e nem a noiva, era a amiga da noiva. Nayara e eu ficamos felizes, claro, mas Deborah reagiu como as noivinhas que atribuem um valor realmente grande a esse passo, quando não é apenas mais um dos tantos contratos fechados para a realização do casamento, mas sim “o” contrato fechado com aquele profissional que você sempre sonhou, de verdade. Bonito ver isso em uma amizade: realizar-se no sonho de quem a gente ama. Sentimento nobre. Que meu trabalho tenha alcançado a nobreza do que trouxe essas pessoas para mim.

Alimento

Delícia de casal! Sabe que as vezes eu sinto que não tem como explicar o tanto que eu amo meu trabalho? O carinho e a confiança que recebo me fazem um bem tão grande que sinto que não tem como exprimir. Não acho as palavras. Sou a encarnação do superlativo, eu sei, mas é algo que está além do que posso controlar. Não há adjetivo exagerado suficiente para agradecer aos meus clientes pelo quanto me sinto realizada, devo isso a eles. Caetano e Débora, meus queridos, foi uma honra estar com vocês nesse dia, o carinho de vocês por mim me alimentou o ser!