Meu exemplo

Essa família é para mim um dos maiores exemplos do que é saber viver. Renata é a mãe que eu tento ser. Tenho lidado com muitas mulheres e as várias formas de experienciar a maternidade e criar os filhos – o que não é tarefa fácil – e percebo o quanto pode ser maravilhoso permitir-se leveza. Como se a gente sentisse que tudo vai dar certo, de um jeito ou de outro. “Nossos filhos não são nossos filhos”, já dizia Khalil Gibran, e necessário se faz deixá-los viver, dar a eles espaço para ser. É maravilhoso quando a gente ensina que a vida é bela e que os percalços fazem parte, são transitórios, nos fazem mais fortes. Alice tem o mundo inteiro a seus pés e poderá ser o que quiser, andar na direção que seu coraçãozinho apontar, sabendo que é livre e não está sozinha, que será respeitada e amparada, e o resultado da maneira como esses pais a conduzem será uma mulher admirável, tanto quanto seu espelho o é. Renata, você já sabe, mas preciso repetir: você não existe! Muito obrigada por tornar tudo tão agradável, pelo seu sorriso lindo e seu abraço sincero. Estarei sempre contando os meses para nosso próximo encontro porque ter vocês por perto me faz um bem que não tem como expressar. Amo, de paixão, cada um de vocês três.

 

Não me rendo

Ultimamente tenho travado uma luta interna: o tempo dos meus ensaios. Normalmente meus colegas de trabalho gastam cerca de duas horas em cada trabalho, já eu, não agendo mais nada em dia de foto. Exagerada, né? Eu sei. Tenho tentado ser mais objetiva. Enquanto dirijo para a locação vou pensando que farei em menos tempo, que não precisa tanta variedade assim, que estou indo contra o mercado e por isso meus valores acabam ficando menos competitivos e tudo o mais, mas na hora em que eu estou diante do cliente, não consigo colocar nada em prática. Vou ficando e fotografando até ter certeza de que esgotei todas as possibilidades que imaginei e que fiz tudo o que o cliente gostaria que fosse feito. Nesse dia saí do ensaio com a sensação de que estou certa, embora na contramão do mercado. Essa bebê lindeza que vocês verão é a Carol e ela estava no meio de uma virose. Aí é aquele negócio: enjoadinha, soninho, corpinho ruim… Começamos o ensaio aos poucos, respeitando o tempo dela, mas a pequena só queria dengo de mamãe.Fomos fazendo as produções e deixando a cereja do bolo por último, o smash the cake que a Renata (mamãe) tanto queria, porque suja tudo e não tem como ser antes. Acontece que a pequena não deu conta. Foi ficando muito cansadinha, chorosa, dormiu! E agora??? Dormiu antes do smash, vai ficar sem as fotos do bolo? Não foi o caso. Esperamos o sono dela e retomamos algum tempo depois. Resultado: trabalho completo, mamãe realizada, fotógrafa sentindo que o caminho é esse e bebê feliz curtindo seu momento doçura. Chronos, você não me ajuda, mas eu não me rendo.

Transbordando amor

Ela já tem quatro aninhos. É sempre maravilhoso fotografar essa família, mas esse ano Alice me emocionou. Está tão crescida e desabrochando lindamente, demonstrando que eu tinha um ser humano incrível diante de minha lente. Sou apaixonada pela Renata, mãe dela, desde o casamento em 2007, e agora percebo que a pequena está saindo como a mãe: carinhosa, sorridente, expansiva, doce… Que delícia ver tudo isso acontecendo e registrar todo ano. Ontem foi a festinha e, como em todos os anos, voltei para casa transbordando de amor. Acho que você vai se contaminar vendo esse vídeo-fotos.

Até sempre

Recebi o pedido de orçamento da Thaís para a festa de um ano da Giovanna alguns meses atrás e, por ser um sábado à noite, disse que não poderia me comprometer com tanta antecedência em virtude dos casamentos. Ela ficou de entrar em contato novamente mais perto da data e eu achei que disse isso para ser gentil, não imaginei que fosse de fato esperar. Cerca de dois meses antes do aniversário recebi novamente seu telefonema. Para minha surpresa, ela realmente me esperou! Fiquei muito feliz, senti o quanto meu trabalho era importante para ela e fechamos o contrato. Marcamos o ensaio e na data agendada eu adoeci. Lá vai a Thaís me esperar de novo. Morri de vergonha, mal pude acreditar! Tão raro eu adoecer, tinha mesmo que ser com essa família? Ela foi novamente muito gentil e se mostrou totalmente compreensiva. Tinha um tom de segurança na voz dela quando conversava comigo. Fizemos o ensaio quinze dias antes da festa e, para me deixar inda mais apaixonada, ela deixou que o vídeo fotos fosse surpresa -só viu na festa- e eu pude ver aquele coração de mãe transbordar de amor ao ver sua pequena nos meus registros, a interação da família que ela está formando sobre o meu olhar. Como eu amo isso! Tenho certeza de que eles são mais um presente da fotografia para mim e mal posso esperar para acompanhar a Giovanna, esse bebê que é pura simpatia, em seu processo de crescimento. Thaís, não sei como agradecer pelo seu carinho. Até sempre!

 

Simples magia

Aniversário de filho é sempre um grande presente. Vê-los crescer é daquelas coisas que são simples, mas parece mágica, entende? Eu olho para minha filha mais velha, que já está com oito anos e modos de mocinha, e me pergunto como pode aquele bebê que morou dentro de mim outro dia desses já estar tão crescida. É tão lindo vê-los tornar-se o que são. Gabriel fez cinco anos, ama dinossauros (sabe tudo sobre eles) e fez do seu ensaio uma expedição no parque. Imagino que seus pais compartilham desse meu sentimento e o viram brincar em sua festa assustados com o quanto seu bebê cresceu. Ainda bem que existe a fotografia, com seu poder de tornar um instante eterno. Daqui há algumas décadas, quando nossos filhos forem adultos, poderemos acessar nosso acervo de memórias fotográficas e voltar no tempo, mais uma das coisas simples e mágicas da vida.